Agenda Março

Por Programa

APJ-Rio

EXPOSIÇÃO

Mulheres a hora e a voz – Direitos, conquistas e desafios
Para celebrar a efeméride do aniversário de 30 anos da Constituição Federal e homenagear as mulheres brasileiras que participaram ativamente no processo constituinte, o CCMJ apresenta a exposição MULHERES, A HORA E A VOZ.  A mostra é conduzida pelas vozes de quatro mulheres que estiveram à frente da campanha “Mulher e Constituinte”, liderada pelo Conselho Nacional dos Direitos da Mulher (CNDM): Comba Marques Porto, Jacqueline Pitanguy, Leila Linhares e Schuma Schumaher. O visitante poderá apreciar fotos históricas de diversos acervos públicos e particulares, vídeos de campanhas e de imagens da época. Interativa, a mostra conta com um enorme painel, onde o público poderá fazer selfies e assim integrar uma passeata do movimento feminista. Pequenas faixas com lemas de campanhas como “Quem ama não mata” também estão disponíveis para fotos. Uma linha do tempo pontua marcos mundiais e brasileiros do feminismo, como o início do Movimento Sufragista, em 1948, nos Estados Unidos, e curiosidades, como o ano de 1922, no qual foi garantido o ingresso de mulheres ao colégio Pedro II no Rio de Janeiro.

Visitação: até 31 de maio

De segunda a sexta-feira, das 11h às 19h, e sábado, das 14h às 18h, Salão dos Bustos | Entrada franca | Agendamento de grupos: 3133-3366 / 3133-3368

 

TRIBUNA LIVRE

Ciclo de Leituras e Debates

Seja protagonista da sua vida

Homenagem à Carmen da Silva (1919 – 1985)

A Agenda Cultural do PJERJ sai na frente nas comemorações em homenagem à efeméride de 100 anos de nascimento de Carmen da Silva, psicanalista, jornalista, escritora, um dos ícones dos movimentos feministas brasileiros nas décadas de 1970/1980. Durante 22 anos ininterruptos, entre 1963 e 1984, Carmen redigiu a coluna "A arte de ser mulher" na revista Claudia, da Editora Abril. A coluna antecipou alguns dos debates que seriam encampados pelo movimento feminista do Brasil. Neste ciclo, a advogada Comba Marques Porto, contemporânea e amiga de Carmen, autora do livro “A arte de ser ousada”, reúne um grupo de feministas, intelectuais, pensadoras, acadêmicas, juízasalgumas delas amigas de Carmenpara debaterem sobre temas relevantes para a reflexão da condição de ser mulher. Os debates serão mediados por juízas de direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. Além dos debates, haverá leituras de trechos de obras da homenageada.  

Leituras de trechos de “O Melhor de Carmen da Silva” e “Histórias Híbridas de uma Senhora de Respeito”.

Leitor(as): Adriana Seiffert / Deborah Rocha / Ludimila D´Angelis / Tatiana Aragão / Raphael Schroder.

Direção e seleção dos trechos: Silvia Monte.

 

25/3, segunda-feira, 19h

 “O papel de Carmen da Silva na formação da consciência feminista e nas articulações do movimento feminista das décadas 1970/1980. ”

Comba Marques Porto – Advogada, juíza aposentada da magistratura trabalhista, consultora jurídica, Assessora do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher [CNDM], no qual coordenou a campanha “Mulher e Constituinte”; autora de “A Arte de Ser Ousada – Uma Homenagem a Carmem da Silva [1919-1985]”.

Jacqueline Pitanguy – Socióloga e cientista política. Fundadora e diretora executiva da ONG CEPIA. Diretora do WLP, Women Learning Partnership for Rights, Development and Peace. 

Leila Linhares Barsted – Advogada, fundadora e diretora executiva da ONG CEPIA representante brasileira no Mecanismo da OEA de Acompanhamento da Implementação da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher.

Malu Heilborn – Historiadora, Doutora em Antropologia Social. Professora Associada do Instituto de Medicina Social do Instituto de Medicina Social da UERJ.

Mediadora: Adriana Ramos de Mello – Juíza Titular do I Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (TJRJ).

 

26/3, terça-feira, 19h

“A construção de estereótipos femininos na cultura machista”

Flavia Oliveira Jornalista, comentarista de Economia do Estúdio i da Globo News, desde 2007, e da Rádio CBN.

Hildete Pereira de Mello – Economista e professora, Universidade Federal Fluminense (UFF).

Joel Birman – Psicanalista, possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ, 1971), Professor Titular / pesquisador – Mestrado e Doutorado em Teoria Psicanalítica. UFRJ (desde 1991), escritor, Primeiro Lugar no Prêmio Jabuti, 2013, com o livro “O Sujeito na Contemporaneidade”. Segundo Lugar no Prêmio Jabuti (2015), com a obra “A Fabricação do Humano”. Psicanálise, Subjetivação e Cultura.

Leila Linhares Barsted – Advogada, fundadora e diretora executiva da ONG CEPIA representante brasileira no Mecanismo da OEA de Acompanhamento da Implementação da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher.

Mediadora: Andrea Pachá – Juíza de Direito, Titular da 4ª Vara de Órfãos e Sucessões da Comarca da Capital (TJRJ).

 

27/3, quarta-feira, 19h

“Violência Contra a Mulher – Pauta Fundamental do Feminismo” 

Adriana Ramos de Mello – Juíza Titular do I Juizado de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher (TJRJ).  

Arlanza Maria Rodrigues Rebello Defensora Pública aposentada da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro 

Nilceia Freire – Formada em Medicina (UERJ, acadêmica, pesquisadora gestora pública.

Mediadora: Tula Mello – Juíza de Direito da 20ª Vara Criminal (TJRJ).

 

Distribuição de senhas: 18h30

[Das 19h às 21h30min]

APJ-Rio / Salão Histórico do I Tribunal do Júri

Informações: 3133-3366 / 3133-3368 /  ccmj.agendacultural@tjrj.jus.br

TEATRO NA JUSTIÇA

Por Elas - Até que a morte nos separe
Em homenagem ao mês da mulher o CCMJ apresenta o espetáculo POR ELAS. A peça aborda a realidade de mulheres que sofrem violência na relação com seus parceiros e as dificuldades psíquicas, jurídicas, familiares, sociais e culturais encontradas para conseguirem romper o “ciclo da violência”. Um grupo de mulheres desconhecidas entre si que, em comum, têm a violência na sua vida amorosa, está reunido para falar sobre suas histórias. Conforme os relatos vão acontecendo, os conflitos, preconceitos, a dor e a própria violência surgem no grupo. Baseada em fatos reais, cada uma das sete personagens femininas carrega histórias de outras tantas mulheres brasileiras. A autoria da peça de Ricardo Leite Lopes e Sílvia Monte, idealizadora do projeto e diretora do espetáculo.

O elenco é composto por Adriana Seiffert, Ana Flávia Bichuettes, Elisa Pinheiro, Letícia Vianna, Renata Guida, Rosana Prazeres, Natália Balbino, Lucas Gouvêa.

Dias: 28, 29 e 30. Quinta a sábado, às 19h

Entrada Franca | Senhas distribuídas às 18h30min | Duração: 1h20min| Recomendação etária: 14 anos

 

Por Programa

APJ-Niterói

MOSTRA DOCUMENTOS JUDICIAIS

Da Resistência à Liberdade
Transcorridos 130 anos da Abolição da Escravatura no Brasil, a mostra apresenta documentos judiciais – ações civis de liberdade, autos processuais de crimes e insurreições praticadas por escravos –  e propõe uma reflexão acerca do papel exercido pelo escravo na luta pela superação deste capítulo da nossa história.

Agendamento de grupos no Educativo CCMJ-Rio, por telefone 3133-3366/3133-3368 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br | Entrada franca | 2º Andar – Espaço Multiuso