Presenças Invisíveis

 

Sobre a exposição

O Museu da Justiça do Rio de Janeiro inaugura no mês de março, quando se comemora o Dia Internacional da Mulher, a mostra “Presenças Invisíveis” que apresenta uma arte inovadora, composta por intervenções dramáticas e comoventes feitas por mulheres que sofreram violência doméstica e hoje vivem em abrigos.

A mostra, idealizada pela artista plástica e serventuária do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Isabela Francisco, será realizada com o apoio do RioSolidario e do Grupo Mulheres do Brasil que celebra seus quatro anos de atuação no Rio de Janeiro.

No salão histórico do I Tribunal do Júri, espaço formal e imponente onde já ocorreram vários julgamentos envolvendo o tema, serão apresentadas obras desenvolvidas sobre lençóis, símbolo forte e tão presente nesse universo de violência. De grande impacto visual, as peças que foram pintadas pelas mulheres abrigadas dialogam e instigam no público sentimentos de explícita emoção em relação à violência sofrida por essas mulheres.

No Salão dos Passos Perdidos, espaço conjugado com o Tribunal do Júri, Isabela Francisco apresentará um trabalho elaborado sobre cliques da fotógrafa Rosane Naylor, realizados durante as visitas à Casa Abrigo Lar da Mulher, quando as mulheres abrigadas executaram os trabalhos.

Casa Abrigo Lar da Mulher

Por meio de sólidas parcerias, o RioSolidario gerencia a Casa Abrigo Lar da Mulher, um refúgio no qual as vítimas e seus filhos menores de idade recebem assistência integral. Mulher vítima de violência doméstica: você não está sozinha!

O espaço funciona como residência temporária, acolhendo as vítimas e seus dependentes menores de idade por até 6 meses. Em endereço sigiloso, uma equipe multidisciplinar presta assistência integral às mulheres em situação de vulnerabilidade e seus dependentes menores de idade com apoio psicológico, suporte jurídico e reintegração social.

A Casa Abrigo Lar da Mulher funciona 24 horas por dia e pode receber até 60 pessoas. Ocupa uma área de 1300 m² e conta com 15 quartos, berçário, um salão de beleza e salas para reuniões. Grupos de reflexão, atividades lúdicas e de relaxamento ajudam as mulheres em seu processo de reconstrução da autoestima e recomeço, após se afastarem de seus lares por medo do agressor.

Como ser acolhida?
A Casa Abrigo Lar da Mulher é gerenciada pela instituição RioSolidario e a mulher vítima de violência doméstica pode buscar ajuda no Centro Integrado de Atendimento a Mulher mais próximo.

CIAM Márcia Lyra - (21) 2332-8249 ou (21 99401-4950).

Central Judiciária de Abrigamento Provisório da Mulher Vítima de Violência Doméstica – CEJUVIDA - (21) 3133-3894.

DENUNCIE — Serviço de Atendimento à Mulher: Ligue 180.

Serviço

Exposição “Presenças Invisíveis”
Até 31 de agosto
de segunda a sexta, das 11 às 17h
Museu da Justiça
Rua Dom Manuel, 29, 2º andar - Centro, Rio de Janeiro/RJ
Indicação etária: 12 anos
Entrada Franca
Realização: DGCOM | DECCO | Museu da Justiça