Salão do Tribunal do Júri – Antigo Palácio da Justiça de Niterói

 

 

Construído para abrigar o Tribunal da Relação do Estado do Rio de Janeiro, o antigo Palácio da Justiça se destinava também ao Fórum da comarca de Niterói. Assim, foi utilizado para a realização de sessões do Tribunal do Júri, antes mesmo que nele se instalasse o Tribunal da Relação em 31 de janeiro de 1920.

O primeiro julgamento, no Salão do Tribunal do Júri, foi o de José Manoel Teixeira, realizado em 1º de julho de 1919. Seguiram-se crimes de ampla repercussão, tendo por réus: João Philadelpho da Rocha, em 1919 (a “Tragédia do Fonseca”); os irmãos Souza Dias, em 1932; José da Costa Maia, em 1936 (o “Crime do Saco de São Francisco”); Araci Abelha, em 1948 (o “Crime da Machadinha”); Olga Suely Dantas e Manuel Dantas, em 1952.

Em 2009, foram realizadas as últimas sessões do júri, sendo o edifício submetido a obras de reforma e restauração no ano seguinte e reinaugurado em 2011. Atualmente, o Salão do Tribunal do Júri é um espaço de preservação histórica do Judiciário fluminense, sob a responsabilidade do Museu da Justiça – Centro Cultural do Poder Judiciário (CCMJ).

 

Built to be the headquarters of the Court of Appeal of the old formation of State of Rio de Janeiro, the former Palace of Justice was also intended for the Niterói County Forum. It was used to the sessions of the Jury Court, even before the Court of Appeal was installed on January 31, 1920.

The first court session, in this Jury Court hall, was that of José Manoel Teixeira, held on July 1, 1919.

The last jury session was happened in 2009. In 2010 the it was closed for a retrofit and reopened in 2011. Currently, the Jury Court hall is a space for the historical preservation of the Rio de Janeiro judiciary, under the responsibility of the Justice Museum of the Rio de Janeiro State - Cultural Center of the Judiciary (CCMJ).