Nossa Luta: a perseguição aos negros durante o Holocausto

 

Apesar das políticas raciais do Nazismo em relação aos judeus e ciganos terem sido bem documentadas, os pesquisadores deram pouca atenção às ações contra os negros. Esta minoria, embora não eliminada sistematicamente como outros grupos, enfrentou intensa discriminação - que variou do isolamento ao assassinato. Até hoje, são escassos os registros sobre a perseguição aos afro-alemães.

Este é o tema da exposição itinerante “Nossa Luta: a perseguição aos negros durante o Holocausto”, composta por 23 painéis e duas vitrines. A mostra chegou ao Rio de Janeiro em março de 2020, após passar por Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. Inaugurada originalmente em 05 de março de 2020, teve sua visitação suspensa devido às medidas contra a Covid-19. Agora, reabre para visitação, de segunda a sexta-feira, das 08h às 17h, somente ao público que for se vacinar no Museu da Justiça.

A iniciativa é promovida pelo Museu do Holocausto de Curitiba, em conjunto com o Goethe Institut, a ARI - Associação Religiosa Israelita, a ASA - Associação Sholem Aleichem, o CEDINE - Conselho Estadual dos Direitos dos Negros, e o CEAP - Centro de Articulação de Populações Marginalizada. A Embaixada da Polônia, o Instituto de Cultura Italiana, a FIERJ - Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro, o PJERJ - Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro e o Museu da Justiça - Centro Cultural do Poder Judiciário ainda apoiam a ação.

A proposta da exposição é levar novas narrativas aos educadores, apresentando o contexto e a crescente privação dos negros desde o período colonial alemão (incluindo o genocídio de hereros e namaquas, na atual Namíbia), passando pela República de Weimar, até o Nazismo consolidado. Destaque também para curtas biografias de afro-alemães que sobreviveram à perseguição nazista.

O conteúdo foi criado em 2017 e lançado na internet como um material educativo, o que deu origem à mostra. Desenvolvido em parceria com a Clínica de Direitos Humanos da PUC-PR e com o Centro Cultural Humaita, entidade pautada no estudo e pesquisa da arte e cultura afro-brasileira, o projeto dá voz a uma comunidade marginalizada e, principalmente, usa a História para aproximar os leitores de uma discussão contemporânea e bem brasileira, sobre o ódio e racismo.

Segundo o coordenador-geral do Museu do Holocausto de Curitiba, Carlos Reiss, o pioneirismo deste trabalho está justamente na conexão feita entre a perseguição nazista, os Direitos Humanos e a Consciência Negra. “Ele torna o legado do Holocausto mais próximo de todos, trazendo valores e lições que estimulam a sociedade a conhecer melhor seu passado para refletir sobre o presente e construir um futuro mais justo. O Holocausto é uma ferramenta educativa poderosa para trabalhar temas atuais e relevantes, dentre eles o racismo, o antissemitismo e a noção de consciência negra”, afirma Reiss.

Serviço
Exposição “Nossa Luta: a perseguição aos negros durante o Holocausto”
A partir de 13 de maio de 2021, apenas para quem for se vacinar
Museu da Justiça - Centro Cultural do Poder Judiciário
Rua Dom Manuel, 29, 2º andar - Centro, Rio de Janeiro/RJ
Informações: 55 21 3133-3368 / 3133-3366
Entrada Franca