Agenda Outubro

Por Programa

APJ-RJ

EXPOSIÇÃO

NUNCA ME CALAREI

“Nunca me calarei”, do artista Márcio Freitas, é uma mostra fotográfica de rostos de mulheres brasileiras que sofreram alguma forma de assédio, tentativa ou abuso sexual. As fotos expõem nos olhares de cada uma das vítimas, dor, medo, mágoa e raiva, dando voz a quem durante muito tempo se manteve calada, devido a bloqueios sociais ou emocionais. O projeto nasceu da vontade do fotógrafo carioca captar, além da dor física, as marcas deixadas na alma e refletidas nos olhos de cada vítima desse tipo de violência. E é um convite a outras mulheres para que não se calem diante de qualquer forma de violência.

Visitação: até 31 de outubro

De segunda a sexta-feira, das 11h às 19h e sábado, das 13h às 17h | Salão dos Passos Perdidos – 2º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: 14 anos | Agendamento de grupos e escolas: 3133-3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

EXPOSIÇÃO

Mostra de documentos judiciais: O Assassinato de Ângela Diniz

O assassinato da socialite Ângela Diniz pelo seu companheiro Raul Fernando do Amaral Street (Doca Street), em 1976, gerou uma ampla discussão nacional acerca da violência contra as mulheres. No decorrer do julgamento foi evocada a tese da legitima defesa da honra. Doca foi condenado a apenas 2 anos de prisão e solto em razão da suspensão condicional da pena. Grupos feministas, então, criaram o bordão “quem ama não mata”, que se tornou marca da luta contra a violência doméstica e familiar. Em meio a pressão da opinião pública, um novo julgamento foi realizado em 1981. Doca Street foi condenado a 15 anos de prisão, contudo, obteve liberdade condicional em 1987.

Visitação: até 31 de outubro

De segunda a sexta-feira, das 11h às 19h, e sábado, das 13h às 17h | Salas Cenográficas 307 e 309 – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: 14 anos |Agendamento de grupos e escolas: 3133-3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

EXPOSIÇÃO

ABSURDOS INSUSTENTÁVEIS – A Arte como Agente Transformador na Preservação do Meio Ambiente

O CCMJ - Museu da Justiça-Centro Cultural do Poder Judiciário, em comemoração ao mês do Meio Ambiente, recebe, até 14 de dezembro (de segunda a sábado), a exposição “Absurdos Insustentáveis – a Arte como Agente Transformador na Preservação do Meio Ambiente”, que reúne obras criadas pelo artista Alexandre Pinhel a partir de resíduos sólidos, tem a curadoria de Isabela Francisco.

“ABSURDOS INSUSTENTÁVEIS” é uma exposição que visa mostrar a violência humana contra a natureza ameaçada. (Isabela Francisco)

O autor da exposição, Alexandre Pinhel, usa métodos químicos, mecânicos e térmicos para misturar resíduos de diversas tecnologias de impressão 3D com resíduos tradicionais de plástico, vidro, madeira e metal. Essas obras ocultam do observador as matérias primas originais, fazendo com que este se surpreenda ao saber do que são feitas. A exposição contará também com uma impressora 3D confeccionando esculturas ao vivo.

Visitação: até 14 de dezembro

De segunda a sexta-feira, das 11h às 19h, e sábado, das 13h às 17h | Salão dos Espelhos – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Agendamento de grupos e escolas: 3133-3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

FESTIVAL DESCULPE INCOMODAR

Arte para pessoas em situação de rua

O Festival Desculpe Incomodar, idealizado pela Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, é uma iniciativa de promoção e encorajamento da emancipação das pessoas em situação de rua através da arte e da cultura junto a um potente grupo de parceiros que compõe o comitê deste projeto.

A fim de legitimar o lugar de fala e mostrar que nas ruas da cidade habitam pessoas com histórias de vida e que motivos que transcendem o senso comum fazem com que estejam nas ruas, o Festival contará essas experiências em forma de música, poesia, pintura, dança e qualquer manifestação espontânea de arte.

 

• 04 de outubro, das 14h às 17h, na Sala Multiuso – Oficina de sensibilização com o Centro de Teatro do Oprimido

A proposta da oficina é fazer um percurso para discutir e estimular, através de meios estéticos, a capacidade de compreensão do mundo e as possibilidades de evidenciar conflitos para busca de alternativas para oprimidos e oprimidas. O Centro de Teatro do Oprimido, surgido em 1986, é um centro de pesquisa e difusão, que

desenvolve especificamente a metodologia do Teatro do Oprimido; em laboratórios e seminários, ambos de caráter permanente, para revisão, experimentação, análise e sistematização de exercícios, jogos e técnicas teatrais. Nos laboratórios e seminários são elaborados e produzidos projetos socioculturais, espetáculos e produtos artísticos, tendo como alicerce a Estética do Oprimido.

• 05 de outubro, das 14h às 16h, na Sala Multiuso – Concerto com a Orquestra Verde e roda de conversa ao final

Formada por alunos da Rede Pública Municipal de Ensino do Rio de Janeiro, a Orquestra Verde, uma das formações musicais do Programa Orquestra nas Escolas, se apresenta no dia 5 de outubro, às 14h, no Museu da Justiça, para uma apresentação que promete emocionar. O grupo une música e sustentabilidade, através dos seus instrumentos produzidos com material reciclado. No repertório, músicas de grandes compositores nacionais e internacionais, como Michael Jackson, Milton Nascimento e Vinícius de Moraes.

04 e 05 de outubro – sexta-feira e sábado

Sala Multiuso – Térreo, APJ-Rio

Entrada franca (concerto) | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 13h30 | Lotação: 60 pessoas

 

PROJETOS PARCEIROS

Lançamento do Livro “Manual de Processo Penal” de André Nicolitt

Para o lançamento da edição comemorativa do seu livro “Manual do Processo Penal”, André Nicolitt fará uma apresentação musical em homenagem a Altay Veloso na sala Multiuso, seguida de sessão de autógrafos e coquetel no jardim de inverno, localizado do Térreo.

07 de outubro – Segunda-feira, às 18h30

Sala Multiuso – Térreo, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 18h| Duração: 3h | Lotação: 60 pessoas

 

MÚSICA NO PALÁCIO

Nova Geração: Pianistas da Escola de Música da UFRJ

Este programa apresenta uma amostra da nova geração de pianistas que vem despontando ao longo dos anos, e que tem na Escola de Música da UFRJ um dos alicerces de sustentação da sua formação musical. O programa também apresenta uma amostra do que caracteriza a produção musical para piano solo: diversidade de estilos e exploração dos recursos tímbricos do instrumento. Obras de Chopin, Granados e Debussy compartilham espaço com um expressivo repertório brasileiro do século XX - Villa-Lobos, Fructuoso Vianna, Claudio Santoro, Marlos Nobre, Murillo Santos e Amaral Vieira. Completam o programa duas obras cravísticas compostas pelos mestres da música barroca francesa: François Couperin e Jean-François Dandrieu, e que comprovam a versatilidade do piano, sua adaptação aos diferentes períodos da história da música.

Curadoria artística: Escola de Música da UFRJ.

08 de outubro – terça-feira, às 19h

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 18h30m | Duração: 60m | Lotação: 50 pessoas

 

TEATRO NO PALÁCIO

Batalhão Boi Brincante – O Quintal de Histórias

Quatro brincantes contam a história de um boizinho muito arretado, que todo ano se reúne para brincar com o Amo, Catirina, Pai Francisco, Índias e Cazumbas. Porém, por motivos misteriosos, o boizinho sofreu uma parada “cardiobrincatória”. É com muita música e ludicidade que vamos descobrir o desenrolar dessa aventura, misturando o universo das brincadeiras tradicionais e contemporâneas com a tecnologia dos tempos atuais.

Elenco: Alarisse Mattar, Drielle Moura, Ludimila D’Angelis e Susanna Gabriela. Direção e dramaturgia: Alarisse Mattar. Interlocução: Eduardo Vaccari. Direção Musical: Laura Canabrava. Direção de Movimento: Susanna Gabriela. Figurino: Polliana da Silva Oliveira. Supervisão: Lena Santana.

08 e 24 de outubro – Terça e quinta-feira, às 15h

Sala Multiuso – Térreo, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 14h30 | Duração: 45m | Lotação: 60 pessoas

 

MÚSICA NO MUSEU

Miriam Grosman, piano

Doutora em Artes Musicais (DMA), pela Catholic University of América, em Washington DC. Graduada pela Escola de Música da UFRJ, integra os quadros dos Cursos de Graduação e Pós-Graduação como professora de Piano. Paralelamente à docência, desenvolve atividades artísticas relevante como solista e camerista, já tendo se apresentado em várias salas de Concerto no Brasil, Portugal, Espanha, Áustria e Estados Unidos.

10 de outubro – quinta-feira, às 12h30

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 12h | Duração: 50m | Lotação: 50 pessoas

 

PALÁCIO CONVIDA

Piano Solo com Thiago Vitório

Thiago Vitorio é pianista, produtor musical, arranjador e compositor que atualmente reside em Boston. Recém-graduado da prestigiosa Berklee College of Music, nasceu em Barra Mansa, RJ, e apesar da pouca idade, já tem percorrido um longo e vitorioso caminho musical onde tocou com músicos de fama mundial como Isaac Karabchevsky, David Chew, João Bosco, Randy Gloss, Gerald Robbins, Gilson Peranzzetta, entre muitos outros. Atualmente trabalha no lançamento de seu primeiro álbum, “Selfies” e na aplicação para mestrado em Universidades americanas e europeias.

11 de outubro – sexta-feira, às 12h30

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 12h | Duração: 50m | Lotação: 50 pessoas

 

CONCERTOS DE CÂMARA

MÚSICA NO PALÁCIO – Jovens Artistas

Grupo formado por jovens violinistas de idades entre 5 a 17 anos que estudam violino com a professora Simone dos Santos através do Método Suzuki. O método foi criado pelo pedagogo japonês Shinichi Suzuki (1898-1998), e foi concebido para desenvolver o potencial inato de todas as crianças. Conhecido como "método da Língua materna", ou "método da educação do Talento", ou apenas "Método Suzuki", a metodologia reconhece que todas as crianças aprendem sua língua materna com amor e encorajamento dentro do ambiente familiar e social. Baseado neste mesmo princípio, defende que o ensino musical é um meio para desenvolver caráter, sensibilidade, disciplina e tolerância. Para este fim, a educação musical deve começar o mais cedo possível. O método foi difundido no Brasil a partir de 1973.

Curadoria artística: Escola de Música da UFRJ

16 de outubro – quarta-feira, às 19h

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 18h30| Duração: 40m | Lotação: 50 pessoas

 

PROJETOS PARCEIROS

Casa da Família

A peça apresenta as relações de diferentes formações familiares, seus desentendimentos e falta de comunicação. São diversos núcleos familiares com suas questões humanas que buscam resolver seus conflitos. Uma mãe que entra na Justiça para ter a atenção dos filhos, o casal feminino que disputa a guarda da filha, o casal que tem a filha pega por envolvimento com as drogas, e, o ex-marido que não se conforma com a separação. Também vemos o lado humano do Sistema Judiciário, onde os personagens desse meio possuem suas expectativas e dúvidas. Envolvendo todos esses personagens está a Casa da Família e suas ações inovadoras.

 

Ficha técnica: Roteiro – Cristina Biscaia, com colaboração de André Tredinnick e Ruth Barbosa | Direção – Silvia Carvalho | Preparadora Corporal – Janaína Gaia | Iluminação – Diogo Borges | Fotografia – Jorge Mansur | Músico – Leandro Corin | Trilha – Edom Oliveira | Design Gráfico – Carol Ferman

 

Elenco: Heloíse Meneses, Janaína Gaia, Paulo Murillo, Monica da Costa, Danielle Cardoso, Andrea Gil, Luiz Bezerra, Clarissa Biasotto, Amanda Feio, Mirella Lagreca, Juliana Lopes, Mariângela Polastri, Rachel Serodio, Denise Lagreca, Paloma Oliveira, Oscar Ouriques, Thiago Barbosa.

17, 18, 19 e 30 de outubro – Quarta, quinta, sexta e sábado, às 19h

Sala Multiuso – Térreo, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: 14 anos | Senhas distribuídas às 18h30 | Duração 2h | Lotação: 60 pessoas

 

PALÁCIO CONVIDA

Lançamento do livro “Poemas de Outubro” e sessão de autógrafos com André de Almeida

Após um feliz lançamento na Bienal do Livro de 2019, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro tem o prazer de conduzir a todos a obra POEMAS DE OUTUBRO do autor André de Almeida.  Quem desejar sentir, por belos poemas, mais do que um Outubro, mais do que uma vida, além de um pequeno espaço geográfico, venha ao relançamento deste livro do novo autor e servidor do TJRJ que vos fala de maneira intensa, intrigante e apaixonante sobre o mundo em que vivemos.

17 de outubro – quinta-feira, das 17h às 20h

Biblioteca – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Duração: 3h

 

MÚSICA NO PALÁCIO

Cantiga Praiana

O compositor, pianista e maestro Eduardo Souto (1882-1942) foi um dos expoentes da música popular urbana no início do Séc. XX e, assim como seus contemporâneos Pixinguinha (1897-1973) e Ernesto Nazareth (1863-1934), é um dos pilares da evolução de sua linguagem, tanto instrumental quanto vocal. Embora sua obra pianística tenha se mantido em evidência, seu cancioneiro se encontrava em injusto ostracismo, considerada a evidente inspiração de suas melodias, o tratamento dos textos – muitas vezes de importantes poetas com quem conviveu – e a sensível crônica de época presente nos temas de suas obras. Nesse recital Anne Amberget (piano), Daniela Moreira (mezzo-soprano), Robson Lemos (tenor) e Thiago Teixeira (barítono), com direção técnica e musical de Lenine Santos, resgatam este precioso material musical para o público contemporâneo e para o ambiente musical e pedagógico.

Curadoria artística: Escola de Música da UFRJ.

22 de outubro – terça-feira, às 19h

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 18h30m | Duração: 55m | Lotação: 50 pessoas

 

MÚSICA NO PALÁCIO

Alexandre Rachid e Aloysio Rachid

Nesse concerto, dividido em duas partes, os irmãos e pianistas Alexandre Rachid e Aloysio Rachid apresentarão ao público obras Bach, Liszt, Pixinguinha, Ernesto Nazareth, dentre outros, além de improvisações de estilos eruditos ao piano com o tema “Cai, cai, Balão, aqui na minha mão!”.

Curadoria artística: Escola de Música da UFRJ.

29 de outubro – terça-feira, às 19h

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 18h30m | Duração: 60m | Lotação: 50 pessoas

 

PALÁCIO CONVIDA

Trio Movimento Musical

Desde a sua fundação, em 2018, o Trio Movimento Musical vem encantando plateias com um repertório que vai do clássico ao popular. O Trio é composto pelo pianista João Paulo Romeu dos Santos, a violoncelista Denise Emmer e a flautista Lelia Brazil. Para este concerto o Trio apresentará peças de J.S.Bach, Mozart e Haydn.

31 de outubro – quinta-feira, às 12h30

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 12h | Duração: 60m | Lotação: 50 pessoas

 

CLUBE “LEITURAS NO PALÁCIO”

DO DIREITO À LITERATURA – ENCONTROS LITERÁRIOS INTERDISCIPLINARES

O Museu da Justiça - Centro Cultural do Poder Judiciário (CCMJ) apresenta o programa “Do Direito à Literatura – Encontros Literários Interdisciplinares”. Durante o programa, serão discutidos os vínculos entre o Direito e as demais Humanidades (Literatura, Filosofia, Sociologia, Psicologia, História, etc.).

Para o primeiro encontro de outubro foi selecionada a obra A hora da Estrela, de Clarice Lispector. Em seu último romance, a autora criou um narrador fictício, Rodrigo S.M, que relata a vida da jovem nordestina Macabéa, ao mesmo tempo em que reflete sobre os sonhos, as manias e os conflitos internos da personagem.

 

Os encontros quinzenais no APJ-Rio, sempre às segundas-feiras, contarão com a presença do Educativo do CCMJ e a colaboração do poeta W. B. Lemos, Doutor em Literatura Comparada, Mestre em Literatura Brasileira pela UERJ e instrutor da Escola de Administração Judiciária (ESAJ).

Atenção: atividade não registrada para pontuação como atividade de capacitação da ESAJ.

07 e 21 de outubro – segunda-feira, de 18h 30min às 20h

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: a partir de 12 anos | Duração: 1h30m | Número de participantes: 40 pessoas. Inscrições e informações: 3133-3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

VISITA MEDIADA

DA PEDRA AO PALÁCIO – Um percurso interativo ao encontro da Justiça

Conduzida por arte-educadores, a visita apresenta à população – de forma lúdica, dinâmica e interativa – a arquitetura, a história e as funções do Antigo Palácio da Justiça do Rio de Janeiro. De espaço em espaço, a pedra é esculpida em jogos com os visitantes estimulando a reflexão sobre o significado da Justiça e da sua importância na vida em sociedade. No percurso aos diversos salões e tribunais históricos os visitantes têm a chance de participar de um julgamento teatralizado no Salão Histórico do I Tribunal do Júri e conhecer como se dá o funcionamento de um júri.

Recomendada para turmas de ensino médio, faculdades e outros grupos.

Entrada franca | Classificação indicativa: a partir de 12 anos | Número de visitantes: 40 pessoas | Duração: 1h30min | Agendamento de grupos e escolas: 3133 – 3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

OFICINA

ACERVOS CONECTADOS – Visita técnica ao acervo

Nesta oficina, o visitante tem a oportunidade de conhecer as atividades de preservação, organização, guarda e disponibilização dos acervos históricos do Poder Judiciário fluminense. Museólogos, arquivistas, historiadores e educadores apresentam o trabalho desenvolvido na instituição e também o acervo composto por figurinos de espetáculos teatrais, autos de crimes de grande repercussão, processos da nobreza e família Imperial brasileira, ações de liberdade de escravos e outros documentos em formato textual e audiovisual, além de objetos e obras de arte que guardam a memória Justiça no estado do Rio de Janeiro. 

Recomendada para turmas de ensino médio, faculdades e outros grupos.

Entrada franca | Classificação indicativa: a partir de 12 anos | Número de visitantes: 20 pessoas | Duração: 1h30min | Agendamento de grupos e escolas: 3133-3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

Magistrados, servidores, colaboradores e interessados podem reservar lugares pelos ramais 3366 e 3368. As reservas serão válidas até 15 minutos antes do início do espetáculo, após o horário os assentos serão liberados para o público.

 

Por Programa

APJ-Niterói

MOSTRA DE DOCUMENTOS JUDICIAIS

DA RESISTÊNCIA À LIBERDADE – o protagonismo do escravo

A mostra propõe uma reflexão acerca do verdadeiro papel dos negros escravizados na busca pela libertação. O visitante poderá ver os originais de processos cíveis e criminais, como a famosa insurreição de Vassouras, cujo desfecho foi a execução do líder Manoel Congo na forca e ações de liberdade, em que os escravizados precisavam de um curador para levar, à apreciação da justiça, argumentos em prol de sua alforria. Tais documentos mostram formas de resistência exercidas por personagens pouco valorizados pela história tradicional, mas que decidiram lutar para escrever seus próprios destinos.

Os autos de processos e livros de registros expostos foram restaurados e digitalizados pela equipe do Serviço de Acervo Textual, Audiovisual e de Pesquisas Históricas e também podem ser consultados, via internet, por qualquer pesquisador. Basta acessar o terminal de consulta no Portal do CCMJ (http://ccmj.tjrj.jus.br/acervo) e digitar “da resistência a liberdade”.

Entrada franca | Classificação indicativa: a partir 12 anos | Número de visitantes: 40 pessoas

Informações: 3002-4284 e 3002-4285 | 2º andar – Espaço Multiuso – APJ-Niterói

Agendamentos de grupos no Serviço de Museologia do CCMJ, por telefone 3133-3814 ou e-mail ccmj.seami@tjrj.jus.br

 

VISITA MEDIADA

DA PEDRA AO PALÁCIO – Um percurso interativo ao encontro da Justiça

Conduzida por arte-educadores, a visita apresenta à população – de forma lúdica, dinâmica e interativa – a arquitetura, a história e as funções do Antigo Palácio da Justiça Niterói (1920) e estimula o visitante a refletir, cultivar e disseminar valores de Justiça. De espaço em espaço, a pedra é esculpida em jogos com os visitantes estimulando a reflexão sobre o significado da Justiça e da sua importância na vida em sociedade.

Recomendada para turmas de ensino médio, faculdades e outros grupos.

Entrada franca | Classificação indicativa: a partir de 10 anos | Número de visitantes: 40 pessoas | Duração: 1h20

Agendamento de grupos e escolas: 3133 – 3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br