Agenda Novembro

Por Programa

APJ-RJ

 

EXPOSIÇÃO

O PODER DAS EMOÇÕES. ALEMANHA 19 | 19

A política alemã parece ser cada vez mais definida por emoções. Vivemos numa época de excitação permanente. Fatos objetivos são postos em causa por sentimentos que se confundem com verdades. Radicais de todos os lados atraem cada vez mais simpatizantes com respostas simples a questões complexas. Este é o ponto de partida da exposição “O Poder das Emoções. Alemanha 19 | 19”, que lança um olhar sobre a história das emoções dos últimos 100 anos. Partindo das manifestações atuais de 20 emoções, a exposição procura pôr em evidência as continuidades e rupturas no mundo das emoções que marcaram os passados 100 anos da história da Alemanha, e cuja intensidade representa hoje um desafio para a política e sociedade. A exposição oferece um ponto de referência atual para a educação histórico-política. Textos concisos e fotografias históricas convidam a refletir sobre o poder das emoções no passado e no presente.

Somente até 4 de dezembro

De segunda a sexta-feira, das 11h às 19h e sábado, das 10h às 17h | Salão dos Passos Perdidos – 2º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Agendamento de grupos e escolas: 3133-3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

MOSTRA DE DOCUMENTOS JUDICIAIS

O HOMICÍDIO DE EUCLIDES DA CUNHA

A Mostra é um apanhado de documentos judiciais em que serão expostos os processos de homicídio e de inventário de Euclides da Cunha, pertencentes ao acervo histórico do CCMJ.

A exposição abordará o caso conhecido como “A Tragédia da Piedade”, que teve ampla repercussão pública no início do século passado, e contará com 4 painéis, 1 vitrine com os autos processuais, e um terminal para consulta online dos documentos digitalizados.

Visitação: Até junho de 2020

De segunda a sexta-feira, das 11h às 19h, e sábado, das 10h às 17h | Sala Cenográfica 309 – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre |Agendamento de grupos e escolas: 3133-3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

EXPOSIÇÃO

ABSURDOS INSUSTENTÁVEIS – A Arte como Agente Transformador na Preservação do Meio Ambiente

O CCMJ - Museu da Justiça-Centro Cultural do Poder Judiciário, em comemoração ao mês do Meio Ambiente, recebe, até 14 de dezembro (de segunda a sábado), a exposição “Absurdos Insustentáveis – a Arte como Agente Transformador na Preservação do Meio Ambiente”, que reúne obras criadas pelo artista Alexandre Pinhel a partir de resíduos sólidos, tem a curadoria de Isabela Francisco.

“ABSURDOS INSUSTENTÁVEIS” é uma exposição que visa mostrar a violência humana contra a natureza ameaçada. (Isabela Francisco)

O autor da exposição, Alexandre Pinhel, usa métodos químicos, mecânicos e térmicos para misturar resíduos de diversas tecnologias de impressão 3D com resíduos tradicionais de plástico, vidro, madeira e metal. Essas obras ocultam do observador as matérias primas originais, fazendo com que este se surpreenda ao saber do que são feitas. A exposição contará também com uma impressora 3D confeccionando esculturas ao vivo.

Visitação: somente até 14 de dezembro

De segunda a sexta-feira, das 11h às 19h, e sábado, das 10h às 17h | Salão dos Espelhos – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Agendamento de grupos e escolas: 3133-3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

MÚSICA NO PALÁCIO

CINE MÚSICA: Especial Buster Keaton

Nesta apresentação, o pianista Paulo José Campos de Melo fará improvisações musicais a partir da exibição do filme “A General”, de Buster Keaton e Clyde Bruckman. No filme, o maquinista Johnnie Gray tem duas grandes paixões: sua locomotiva, “a General”, e a jovem Annabelle Lee. Quando a Guerra Civil Americana (1861-1865) tem início, o rapaz não é aceito como combatente, uma vez que seria mais útil como engenheiro da linha férrea. Sua amada, no entanto, passa a achá-lo covarde por não lutar. É quando “a General” e Annabelle são sequestradas por espiões da União, e Johnnie precisará correr atrás de ambas, em uma movimentada aventura pela ferrovia.

Curadoria artística: Escola de Música da UFRJ.

3 de dezembro – Terça-feira, às 19h

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 18h30m | Duração: 80m | Lotação: 50 pessoas

 

MÚSICA NO PALÁCIO

Amanda Kohn

Natural do Rio de Janeiro, Amanda Kohn iniciou seus estudos de piano aos 11 anos. Atualmente, com 21, cursa o bacharelado no instrumento na UFRJ. Aprimorou sua técnica com o professor Ronal Silveira e hoje se encontra sob a orientação do renomado professor Luiz Senise.

Ao longo de 10 anos como musicista mantém uma vida ativa com diversos recitais solo, participação em grandes festivais de música, e também masterclasses onde pôde aprender com os grandes nomes do cenário artístico como Nikolai Lugansky, Luca Chiantore, Arnaldo Cohen, Alexandre Dossin, entre outros. É pianista premiada em diversos concursos nacionais como o 1° concurso nacional Musiart de piano, 1° concurso de piano da escola de música Villa-Lobos, vencedora da Série Talentos numa parceria UFRJ e Sala Cecília Meireles, 1° Lugar no XXV concurso Prof. Abrão Calil Neto de Ituiutaba e 1° lugar no XXXVIII concurso de piano Rosa Mística. É também uma das integrantes do premiado grupo experimental Pianorquestra, onde 5 pianistas exploram repertório erudito e popular no piano preparado, com turnês pela América latina, Canadá e Europa.

No repertório, obras de Beethoven, Rachmaninoff, Debussy, Cláudio Santoro, Ronaldo Miranda e Marlos Nobre.

Curadoria artística: Escola de Música da UFRJ.

4 de dezembro – Quarta-feira, às 19h

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 18h30m | Duração: 55m | Lotação: 50 pessoas

 

PROJETOS PARCEIROS

Lançamento dos livros “Prática de insolvência empresarial” e “Constatação prévia em processos de recuperação judicial de empresas”

“Prática de insolvência empresarial” - O livro faz uma análise inédita do desenvolvimento prático dos processos de recuperação judicial de empresas e de falências, tendo como ponto de partida as principais (mais frequentes e importantes) decisões judiciais proferidas em casos de insolvência empresarial.

“Constatação prévia em processos de recuperação judicial de empresas” - A presente obra cuida da prática judicial conhecida como Perícia Prévia em processos de recuperação judicial. Rebatizada como Constatação Prévia, essa prática recebeu grande aceitação jurisprudencial, ganhou status de enunciado no Tribunal de Justiça de São Paulo e foi reconhecida como uma boa prática judicial pelo Conselho Nacional de Justiça.

5 de dezembro – Quinta-feira, das 17h às 19h

Sala Multiuso – Térreo, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre

 

MÚSICA NO MUSEU

The Hirsch Pinkas Piano Duo: Sally Pinkas e Evan Hirsch

O Duo de Piano Hirsch-Pinkas é formado por Evan Hirsch e Sally Pinkas. Casados e tendo carreiras separadas como pianistas, decidiram se juntar como artistas e partiram em turnê. Desde então, o duo tem se apresentando por todo o mundo, incluindo lugares como o Boston’s Jordan Hall, Conservatorio di Santa Cecilia em Roma, a Academia Gnessin em Moscou, além de participações em grandes festivais como o Kfar Blum em Israel e Pontlevoy na França. O repertório conta com grandes nomes da música clássica como Mozart, Schubert, Brahms, Rachmaninoff, Debussy, entre outros. Sally e Evan oferecem masterclasses por todo o mundo em locais como a Rice School of Music em Houston, na Washington University em St. Louis, na China Conservatory em Pequin e no Conservatório de São Petesburgo. Além disso, são professores na Dartmouht College e na Brandeis University.

9 de dezembro – Segunda-feira, às 12h30

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 12h | Duração: 90m | Lotação: 50 pessoas

 

MÚSICA NO PALÁCIO

Qualea Trio

O Qualea Trio foi formado em março de 2017, para um concerto em Paris que resultou numa experiência pessoal e musicalmente rica. Desde então, o trio, que é composto por Sonia Ray (contrabaixo), Ricardo Freire (clarineta) e Werner Aguiar (violão), tem se dedicado a preparar obras de compositores brasileiros dedicadas ao grupo e elaborado arranjos de música brasileira clássica e popular, bem como obras de referência para seus instrumentos. O programa de 2019 é composto de obras especialmente escritas para o Trio e dois arranjos feitos pelos integrantes. Cada compositor e cada peça serão apresentados pelo Qualea Trio antes de cada performance para que o público possa conhecer um pouco mais do repertório brasileiro. São expostas também as particularidades dos instrumentos e da relação do Trio com compositores atuantes que escreveram para o grupo. Entre cada peça tocada o público tem a oportunidade de esclarecer dúvidas e curiosidades sobre as músicas apresentadas. O programa é amplo e apresenta peças compostas entre meados do século XX até o presente, como “Suite Retratos” de Radamés Gnatalli.

Curadoria artística: Escola de Música da UFRJ.

10 de dezembro – Terça-feira, às 19h

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 18h30m | Duração: 60m | Lotação: 50 pessoas

 

PROJETOS PARCEIROS

Luiz de Simone, piano

Nascido e criado na cidade do Rio de Janeiro, Luiz De Simone é bacharel em piano pelo Conservatório Brasileiro de Música. Em seguida, concluiu a pós-graduação em Música para Cinema, Teatro e TV pela mesma instituição. Premiado em concursos nacionais de piano no Brasil, apresentou-se em importantes salas de concerto no Rio de Janeiro e em dezenas de cidades do Brasil. Participou de todas as seis edições do Festival Liszt do Rio de Janeiro (1995 a 2000), somando mais de 300 concertos em seu currículo.

De 2004 a 2007 realizou turnês de recitais de piano solo pela Europa por ocasião do lançamento do seu primeiro CD com composições originais, chamado EP: Ensaio Pianístico. O ano de 2019 marca um novo impulso na sua carreira artística com seu retorno ao estúdio para gravar um novo disco graças a uma bem-sucedida campanha de financiamento coletivo que arcou com todo o custo de produção.

O disco, chamado La Liberté, contém novíssimas composições originais para piano solo, e a partir de agosto Luiz De Simone deu início a uma intensa agenda de recitais para promover o novo álbum, não só no Brasil como também na Europa.

12 de dezembro – Quinta-feira, às 12h30

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 12h | Duração: 90m | Lotação: 50 pessoas

 

MÚSICA NO MUSEU

Coral Strattner

Coral Strattner – [Duração: 60 minutos]

O coral da H.Strattner foi criado em 2007 na sede da empresa no Rio de Janeiro e conta com a participação exclusiva de colaboradores de diversas áreas da empresa. O coro atua de forma ininterrupta desde seu primeiro ensaio. Os coralistas se reúnem 2 vezes por semana dentro da jornada do trabalho, são momentos principalmente de integração e descontração que contribuem para um excelente clima interno. Além do coro, a banda também é formada por colaboradores. O coral H Strattner já participou de diversos encontros nacionais e internacionais, apresentações em teatros, abrigos e museus. Sob a regência do maestro Gabriel Szantó, o coral da H.Strattner tem seu repertório composto por músicas nacionais de diversos gêneros, já tendo gravado 2 CDs.

16 de dezembro – Segunda-feira, às 12h30

Salão Histórico do I Tribunal Juri, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: Livre | Senhas distribuídas às 12h | Duração: 60m | Lotação: 150 pessoas

 

CLUBE “LEITURAS NO PALÁCIO”

DO DIREITO À LITERATURA – ENCONTROS LITERÁRIOS INTERDISCIPLINARES

Ele não tinha ido a nenhuma parte. Só executava a invenção de se permanecer naqueles espaços.

“A terceira margem do rio”, de João Guimarães Rosa

 

“Agora sou cativo. Meu corpo está atado a grilhões em uma masmorra, meu espírito está preso a uma ideia. (...) Restou-me apenas um pensamento, uma convicção, uma certeza: condenado à morte!” O último dia de um condenado, Victor Hugo

 

O Museu da Justiça - Centro Cultural do Poder Judiciário (CCMJ), com a finalidade de promover a leitura de literatura, dá continuidade ao programa “Do Direito à Literatura – Encontros Literários Interdisciplinares”, destinado, em especial, a realçar os laços entre o Direito e as demais Humanidades (Literatura, Filosofia, Sociologia, Psicologia, História, etc.).

No dia 2 de dezembro, às 18h30min, no Clube “Leituras no Palácio”, compartilharemos as impressões sobre Primeiras estórias, volume de contos de João Guimarães Rosa. Composto por 21 contos, entre os quais o enigmático “A terceira margem do rio”, a obra apresenta, no âmbito da narrativa curta, alguns dos feitos literários mais belos do autor de Grande sertão: veredas, havendo quem afirme que nessas estórias a artesania no lidar com a palavra foi elevada a patamares jamais experimentados na literatura de língua portuguesa.

No dia 16 de dezembro, às 18h30min, no Clube “Leituras no Palácio”, discutiremos acerca de O último dia de um condenado, polêmica novela de Victor Hugo. Nessa narrativa breve, o autor emprega todos os seus recursos expressivos a serviço de uma causa, expondo a injustiça, a ineficácia da sanção, a barbárie e os horrores da pena de morte – que chamava de “assassinato judicial” – e de suas consequências.

Sugestões de leitura dos participantes poderão ser acrescentadas à relação de autores pré-selecionados pelo programa.

Os encontros quinzenais no APJ-Rio, sempre às segundas-feiras, contam com a presença do Educativo do CCMJ e a colaboração do também poeta W. B. Lemos, Doutor em Literatura Comparada, Mestre em Literatura Brasileira pela UERJ e instrutor da Escola de Administração Judiciária (ESAJ).

Atenção: atividade não registrada para pontuação como atividade de capacitação da ESAJ.

02 e 16 de dezembro – segunda-feira, de 18h 30min às 20h

Salão Nobre – 3º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: a partir de 12 anos | Duração: 1h30m | Número de participantes: 40 pessoas. Inscrições e informações: 3133-3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

VISITA MEDIADA

DA PEDRA AO PALÁCIO – Um percurso interativo ao encontro da Justiça

Conduzida por arte-educadores, a visita apresenta à população – de forma lúdica, dinâmica e interativa – a arquitetura, a história e as funções do Antigo Palácio da Justiça do Rio de Janeiro. De espaço em espaço, a pedra é esculpida em jogos com os visitantes estimulando a reflexão sobre o significado da Justiça e da sua importância na vida em sociedade. No percurso aos diversos salões e tribunais históricos os visitantes têm a chance de participar de um julgamento teatralizado no Salão Histórico do I Tribunal do Júri e conhecer como se dá o funcionamento de um júri.

Recomendada para turmas de ensino médio, faculdades e outros grupos.

Entrada franca | Classificação indicativa: a partir de 12 anos | Número de visitantes: 40 pessoas | Duração: 1h30min | Agendamento de grupos e escolas: 3133 – 3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

OFICINA

ACERVOS CONECTADOS – Visita técnica ao acervo

Nesta oficina, o visitante tem a oportunidade de conhecer as atividades de preservação, organização, guarda e disponibilização dos acervos históricos do Poder Judiciário fluminense. Museólogos, arquivistas, historiadores e educadores apresentam o trabalho desenvolvido na instituição e também o acervo composto por figurinos de espetáculos teatrais, autos de crimes de grande repercussão, processos da nobreza e família Imperial brasileira, ações de liberdade de escravos e outros documentos em formato textual e audiovisual, além de objetos e obras de arte que guardam a memória Justiça no estado do Rio de Janeiro. 

Recomendada para turmas de ensino médio, faculdades e outros grupos.

Entrada franca | Classificação indicativa: a partir de 12 anos | Número de visitantes: 20 pessoas | Duração: 1h30min | Agendamento de grupos e escolas: 3133-3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

 

Magistrados, servidores, colaboradores e interessados podem reservar lugares pelos ramais 3366 e 3368. As reservas serão válidas até 15 minutos antes do início do espetáculo, após o horário os assentos serão liberados para o público.

Por Programa

APJ-Niterói

EXPOSIÇÃO

NUNCA ME CALAREI

“Nunca me calarei”, do artista Márcio Freitas, é uma mostra fotográfica de rostos de mulheres brasileiras que sofreram alguma forma de assédio, tentativa ou abuso sexual. As fotos expõem nos olhares de cada uma das vítimas, dor, medo, mágoa e raiva, dando voz a quem durante muito tempo se manteve calada, devido a bloqueios sociais ou emocionais. O projeto nasceu da vontade do fotógrafo carioca captar, além da dor física, as marcas deixadas na alma e refletidas nos olhos de cada vítima desse tipo de violência. E é um convite a outras mulheres para que não se calem diante de qualquer forma de violência.

Visitação: até 31 de março de 2020

De segunda a sexta-feira, das 11h às 19h e sábado, das 13h às 17h | Salão dos Passos Perdidos – 2º andar, APJ-Rio

Entrada franca | Classificação indicativa: 14 anos | Agendamento de grupos e escolas: 3133-3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br

 

MOSTRA DE DOCUMENTOS JUDICIAIS

DA RESISTÊNCIA À LIBERDADE – o protagonismo do escravo

A mostra propõe uma reflexão acerca do verdadeiro papel dos negros escravizados na busca pela libertação. O visitante poderá ver os originais de processos cíveis e criminais, como a famosa insurreição de Vassouras, cujo desfecho foi a execução do líder Manoel Congo na forca e ações de liberdade, em que os escravizados precisavam de um curador para levar, à apreciação da justiça, argumentos em prol de sua alforria. Tais documentos mostram formas de resistência exercidas por personagens pouco valorizados pela história tradicional, mas que decidiram lutar para escrever seus próprios destinos.

Os autos de processos e livros de registros expostos foram restaurados e digitalizados pela equipe do Serviço de Acervo Textual, Audiovisual e de Pesquisas Históricas e também podem ser consultados, via internet, por qualquer pesquisador. Basta acessar o terminal de consulta no Portal do CCMJ (http://ccmj.tjrj.jus.br/acervo) e digitar “da resistência a liberdade”.

Entrada franca | Classificação indicativa: a partir 12 anos | Número de visitantes: 40 pessoas

Informações: 3002-4284 e 3002-4285 | 2º andar – Espaço Multiuso – APJ-Niterói

Agendamentos de grupos no Serviço de Museologia do CCMJ, por telefone 3133-3814 ou e-mail ccmj.seami@tjrj.jus.br

 

VISITA MEDIADA

DA PEDRA AO PALÁCIO – Um percurso interativo ao encontro da Justiça

Conduzida por arte-educadores, a visita apresenta à população – de forma lúdica, dinâmica e interativa – a arquitetura, a história e as funções do Antigo Palácio da Justiça Niterói (1920) e estimula o visitante a refletir, cultivar e disseminar valores de Justiça. De espaço em espaço, a pedra é esculpida em jogos com os visitantes estimulando a reflexão sobre o significado da Justiça e da sua importância na vida em sociedade.

Recomendada para turmas de ensino médio, faculdades e outros grupos.

Entrada franca | Classificação indicativa: a partir de 10 anos | Número de visitantes: 40 pessoas | Duração: 1h20

Agendamento de grupos e escolas: 3133 – 3768 / 3133-2721 ou e-mail ccmj.educativo@tjrj.jus.br