Absurdos Insustentáveis: A Arte como Agente Transformador na Preservação do Meio Ambiente

 

Apresentação CCMJ

O Museu da Justiça-Centro Cultural do Poder Judiciário recebeu a exposição “Absurdos Insustentáveis - A Arte como Agente Transformador na Preservação do Meio Ambiente” pela primeira vez, em maio de 2019, como atividade de educação ambiental de iniciativa da Comissão de Políticas Institucionais para a Promoção da Sustentabilidade (COSUS) do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) para o Mês do Meio Ambiente.

A exposição realizada no Antigo Palácio da Justiça do Rio de Janeiro recebeu 4.132 pessoas até dezembro de 2019 e em 2020 foi transferida para o Antigo Palácio da Justiça de Niterói, local de filmagem da versão virtual.

 
 

A exposição

Autor da exposição, Alexandre Pinhel, utiliza métodos químicos, mecânicos e térmicos para misturar resíduos de diversas tecnologias de impressão 3D com outros tradicionais de plástico, vidro, madeira e metal. Essas obras ocultam do observador as matérias primas originais, fazendo com que este se surpreenda ao saber do que são feitas.

A exposição, como atividade de educação ambiental, contribui para o desenvolvimento de ações que apoiem as políticas de sustentabilidade e multiplicação do conceito de que todos são responsáveis pela preservação do meio ambiente para as gerações presentes e futuras.

 
 

 

Serviço
CCMJ | Expo
“Absurdos Insustentáveis”
A partir de 4 de outubro de 2020
Realização: Museu da Justiça - Centro Cultural do Poder Judiciário - CCMJ