Painel “A Justiça Civil”, de Carlos Oswald

bandeira

Trata-se de obra em encáustica moderna (óleo e cera), produzida em 1939, comentada pelo autor nos seguintes termos:
“Representada pela figura do Brasil levantando a bandeira, está em progressivo desenvolvimento devido ao sossego que a figura da Paz simboliza, paz que é o resultado da ação benéfica da Justiça Civil. A figura de uma mulher a representa plasticamente no ato de segurar com a direita a balança e com a esquerda o livro da Lei. Aos seus pés a atlética figura do Exército, a Força, apresta-se a segurar a espada para defender o cofre repleto das lembranças da tradição brasileira, para simbolizar o patrimônio da Nossa civilização. Enquanto isso, no primeiro plano o Trabalho agrícola e o Trabalho industrial estão em ação, e atrás, as figuras de duas mulheres avançam carregadas dos Produtos da terra brasileira que em nada são inferiores aos produtos das Terras estrangeiras que se aproximam no fundo, num grande barco, aportados pelas figuras representativas das nações amigas, individualizadas pelos respectivos estandartes. À direita, um ancião aperta as mãos de um moço, são o Saber e o Trabalho manual que se unem. Em cima surge a Arte, com a sua lira e, para terminar, no canto direito do primeiro plano os símbolos das artes e das ciências se irmanam convergindo em direção da chama da Verdade que brilha na lâmpada da inteligência”.
(Texto proveniente do diário de Carlos Oswald. Apud MONTEIRO, Maria Isabel Oswald. Carlos Oswald (1882-1971): pintor da luz e dos reflexos. Rio de Janeiro: Casa Jorge Editorial, 2000, p. 16.)

Sobre o Autor
Filho do renomado compositor carioca de música instrumental Henrique Oswald e de Laudômia Bombernard Gasperini, nasceu em 18 de outubro de 1882, na cidade de Florença, sendo registrado como brasileiro no consulado local.
Na Itália, cursou o Instituto Técnico Galileu Galilei e a Academia de Belas Artes de Florença. Em 1906, veio ao Brasil, apresentando, na 13ª edição da Exposição Geral de Belas Artes, a pintura Violinista, que foi agraciada com a medalha de prata. Retornando à Itália, desenvolveu estudos sobre a gravura em metal e pesquisas de efeitos de luz sob a influência do impressionismo e do pós-impressionismo. Em 1913, já estabelecido no Brasil, foi convidado a dirigir a Oficina de Gravura em Metal, recentemente criada no Liceu de Artes e Ofícios, e agraciado com a Pequena Medalha de Ouro na Exposição Geral de Belas Artes.
Em 1947, passou a ministrar um curso de gravura na Fundação Getulio Vargas, escrevendo intensamente, a partir do ano seguinte, artigos divulgadores dessa arte em jornais e revistas.
Dedicou-se também à pintura mural, produzindo trabalhos para o Pavilhão Brasileiro na Exposição Internacional de Turim, em 1910. Na cidade do Rio de Janeiro, há importantes obras de sua autoria em locais como o Palácio São Joaquim, a antiga sede do Supremo Tribunal Federal, hoje Centro Cultural da Justiça Federal, o Palácio Pedro Ernesto, o Palácio Tiradentes e o antigo Palácio da Justiça do Distrito Federal.
A arte do vitral também foi praticada por Carlos Oswald, que concebeu projetos para a Catedral de Petrópolis e para a Igreja das Sacramentistas, em Juiz de Fora. Na cidade do Rio de Janeiro, há obras suas nas igrejas matrizes de Nossa Senhora da Glória, Santa Margarida Maria, Santa Terezinha, São Pedro e São Sebastião.
No projeto de construção da estátua do Cristo Redentor, no Morro do Corcovado, o engenheiro brasileiro Heitor da Silva Costa, autor do projeto inicial, contou com a valiosa contribuição de Carlos Oswald, que desenvolveu com ele o desenho da figura de braços abertos, que se tornaria mundialmente conhecida.
Em 14 de fevereiro de 1971, Oswald faleceu na cidade de Petrópolis.

bandeira

It is a painting in modern encaustic style (oil and wax), produced in 1939 and explained by the author in this way:
“Represented by the figure of Brazil rising the flag, it is in progressive development due to the placidity that the figure of Peace symbolizes, peace that is the result of the beneficial action of the Civil Justice. The figure of a woman represents it plastically in the act of holding with the right hand the balance and with the left hand the book of the Law. On her feet the athletic figure of the Army, the Force, is ready to hold the sword to defend the full vault of the memories of the Brazilian tradition, to symbolize the patrimony of Our civilization. Meanwhile, in the foreground, agricultural labor and industrial labor are in action, and behind, the figures of two women are advancing with the products of the Brazilian land which are in no way inferior to the products of the foreign lands. Approaching in the background, in a big ship, contributed by the representative figures of the friendly nations, individualized by the respective banner. On the right, an old man shakes hands with a young man, it is the Knowledge and the Manual Labor united. On the top appears Art with its lyre, and on the right corner of the foreground the symbols of the arts and sciences converge towards to the flame of Truth that shines in the lamp of intelligence.”
(Text from Carlos Oswald's diary. Apud MONTEIRO, Maria Isabel Oswald. Carlos Oswald (1882-1971): pintor da luz e dos reflexos. Rio de Janeiro: Casa Jorge Editorial, 2000, p. 16.)

About the author
Son of renowned Rio de Janeiro instrumental composer Henrique Oswald and Laudômia Bombernard Gasperini, he was born on October 18, 1882, in the city of Florence, and was registered as a Brazilian at the local consulate.
In Italy, he studied in the Galileo Galilei Technical Institute and in the Florence Academy of Fine Arts. In 1906, he came to Brazil, presenting at the 13th edition of the General Exhibition of Fine Arts, The Violinist painting, which was awarded the silver medal. Returning to Italy, he developed studies on metal engraving and light effects research under the influence of Impressionism and Post-Impressionism. In 1913, already established in Brazil, he was invited to direct the Metal Engraving Workshop, recently created in the Lyceum of Arts and Crafts, and was awarded the small gold medal at the General Exhibition of Fine Arts.
In 1947, he began to teach an engraving course at the Getúlio Vargas Foundation, writing, intensely, from the following year, articles divulging this art in newspapers and magazines.
He also dedicated himself to mural painting, producing works for the Brazilian Pavilion at the International Exhibition of Turin, in 1910. In the city of Rio de Janeiro, there are important works of his own, like in the Palácio São Joaquim, in the former headquarters of the Supremo Tribunal Federal (Federal Supreme Court), nowadays the Cultural Center of Federal Justice, in the Pedro Ernesto Palace, in the Tiradentes Palace and in the former Palace of Justice of the Federal District.
The stained glass art was also practiced by Carlos Oswald, who conceived projects for the Cathedral of Petropolis and for the Church of Sacramentistas, in Juiz de Fora, and in the city of Rio de Janeiro, there are his works in the mother churches of Nossa Senhora da Glória, Santa Margarida Maria, Santa Terezinha, São Pedro and São Sebastião.
In the construction of the statue of Crist the Redeemer on Corcovado Mountain, the Brazilian engineer Heitor da Silva Costa, author of the initial project, had the valuable contribution of Carlos Oswald, who developed with him the drawing of the figure with open arms, which would become known all over the world.
On February 14, 1971, he died in the city of Petrópolis.